Hey!


Eu não sei por onde começar a fazer esta resenha. Okay. Não vamos chamar de resenha, pois estou com medo de falar demais. 

Eu vinha atrás de algo curto e nesse estilo para ler, e do NADA, em uma postagem aleatória em um grupo eu me deparei com o link, o livro estava de graça e baixei. Comecei a ler e o que logo me segurou foi  escrita impecável. A história já começa acelerada, ao meu ver, lógico. E quando acordei pela manhã a primeira coisa que fiz foi "correr" para ler. Eu PRECISAVA terminar.

Bem, vamos à sinopse?



Jane tinha o mundo inteiro para explorar e uma vida inteira para viver, é o que diziam a ela. Mas depois de engravidar da pequena Cristal o mundo daquela mãe passa a ser sua filha e seu cenário principal, sua casa. Dustin, seu marido há mais de cinco anos, muda radicalmente em sua gravidez indesejada.
Jane só quer viver e fugir daquilo que ela, há tempos, já não chama de “lar”, no entanto, todas as suas fugas falham e sua vida desmorona ainda mais quando Dustin perde o emprego, ficando praticamente trancado com ela e Cristal naquela casa.
Uma mãe de primeira viagem, um marido opressor, um bebê de poucos meses e uma casa. Ninguém sai daquela casa.

“Calafrio” é um thriller psicológico narrado em terceira pessoa que te fará pensar em quem você deve confiar. Porquê de um momento para o outro, nada é mais o que parece ser e suas certezas são balançadas, quando suas dúvidas são aguçadas por um casal desequilibrado e um bebê de meses incertos.


Jane e Dustin tinha um tipo de amor invejável. Nos primeiros capítulos eu fiquei pensando: Nossa, daria um super romance. A história têm duas fases e ambas são contadas em passado e presente - você pode até estranhar, mas creio que foi a melhor forma de contar a história.
Para Jane, amor é uma colisão. Uma colisão de sentimentos mistos, sentimentos de duas pessoas, os quais se entrelaçam, formando um sentimento maior. Porque, para quem ama de verdade, não há quem ame mais ou menos. Há quem ame.
A cada capítulo você cria uma teoria diferente. Ora eu xingava Jane, ora eu xingava Dustin. A história me dominou de uma forma que eu fiquei desapontada por ser pequena, mas acredito que ficou do tamanho ideal, mas quando o livro é bom nunca queremos que acabe, não é mesmo?

Eu não posso falar muito, mas posso lhe afirmar que o final é surpreendente. Acho que foi a única teoria que não criei e por isso ficou tão fascinante. Pois se eu tivesse descoberto não teria tanta graça.

Este livro está recomendadíssimo! 

E acredite que no fundo existe a mais pura história de amor.


Até a próxima aventura!








5 Comentários

  1. Nossa! Parece ser bem legal! Gosto muito de livros assim que nos prendem e mexem com as nossas emoções...Vou conferir

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Parece ser bem legal! Gosto muito de livros assim que nos prendem e mexem com as nossas emoções...Vou conferir

    ResponderExcluir
  3. "JPalumbo" aqui.

    Oh, muito obrigada tanto pela avaliação quanto publicar aqui. Fiquei realmente muito feliz que tenha gostado, porque, como tinha comentado, admito que não fazia ideia se estava realmente bom ou óbvio demais. Maravilhoso saber que não estava óbvio e que o final te surpreendeu.

    Muito obrigada!

    ResponderExcluir